Quem sou eu

Minha foto

 
-Graduação em Medicina Humana pela UNESP- Faculdade de Medicina de Botucatu
-Residência médica em Otorrinolaringologia pela UNESP- Faculdade de Medicina de Botucatu
-Título de especialista em Otorrinolaringologia pela ABORL-CCF/ AMB /MEC
-Especialização (Fellow) em Otologia pela UNIFESP- Escola Paulista de Medicina
-Mestre em Otorrinolaringologia pela UNIFESP - Escola Paulista de Medicina

Endereço e contatos:

"Seja a mudança que quer ver no mundo"

(Dalai Lama)


Consultório:


- R. Cubatão, 86, conj. 1407, Paraíso, São Paulo

Fone: 11 23897016/ 11 43016874


e-mail: baarossini@gmail.com

Entendendo a Labirintite

Labirintite ou tontura?

Na maioria das vezes, quando o paciente refere que tem labirintite na verdade está querendo dizer que vem apresentando ou já apresentou episódios de tontura. Essa tontura pode ser rotatória, causar instabilidade ou uma sesação semelhante a um desmaio. Muitas vezes é acompanhada de náuseas.

O que causa a labirintite?

Existem muitas causas para a tontura. Algumas delas seriam: infeções verais, doenças metabólicas , como hipertensão arterial e diabetes, traumas na cabeça, abuso de cafeína e stress.
Existe um teste para labirintite?

Sim. Existem vários exames que seu médico pode solicitar para entender melhor o seu quadro de tontura.

Como é labirintite tratada?

O tratamento depende de seus sintomas, quanto tempo duraram e que provavelmente causou sua labirintite.

Segue algumas orientações para o tratamento das tonturas:

1.            Diminuir consumo de café, chá preto, refrigerante tipo cola, doces e chocolate.
2.            Fracionar a alimentação, comendo pouco várias vezes ao dia e evitando longos períodos de jejum.
3.            Realizar exercício físico regular (caminhada, hidroginástica ou natação cerca de uma hora pelo menos três vezes por semana).
4.            Controlar rigorosamente doenças como diabetes, pressão alta, colesterol alto e doenças de tireóide.
5.            Caso apresente zumbido, saber que esse não tende a piorar, não causa perda da audição, não leva a loucura e que, na grande maioria dos casos, não é causado por nenhuma doença grave. O mesmo vale para tonturas.
6.            Evitar tabagismo e ingestão excessiva de bebidas alcoólicas.

7.            Tontura tem tratamento. Não deixe de procurar auxílio médico.

Zumbido nos ouvidos: conheça mais!

Hearing Guardian V1
Zumbido: o sinal de alerta dos seus ouvidos!

Todo e qualquer tipo de zumbido que sentir no seu ouvido pode ser um sinal de alerta. Lembre-se da última vez que você foi a um show de rock, a uma exibição de fogos de artifício ou ficou ouvindo musica excessivamente alta por muito tempo. Recorda-se de uma sensação de zumbido logo depois que você foi exposto a esses ruídos? Você sentiu algo como um preenchimento nos ouvidos, os barulhos ao seu redor foram abafados e substituídos por um tinido constante, como se seus ouvidos estivessem reclamando da agressão que sofreu em forma de grito.

De alguma maneira, estavam. Se eles não "gritassem" avisando que aquela exposição fez mal a eles, nós não teríamos como saber que não deveríamos expô-los novamente a ruídos de intensidade semelhante aos quais estávamos expostos. Portanto, o zumbido serve de alerta para que todos nós saibamos os limites de volume de som que devemos obedecer em prol da nossa saúde auditiva!

Fonte: site da Biosom

Curriculo

-Link para o currículo lattes:

http://lattes.cnpq.br/2885866749358140

Estamos preparados para ajuda-los em doenças como:

- Rinites e sinusites

- Obstruçao nasal e desvio de septo


- Ronco e apnéia do sono

-Amigdalites

- Doença do refluxo gastro-esofágico

- Rouquidão

- Labirintite e tonturas

- Zumbido

- Surdez

- Otites

- Orelha de abano


Orientações para o tratamento de Doença do Refluxo Gastro Esofágico:

1. Evitar refeições copiosas, isto é, fracionar a alimentação, comendo pouco várias vezes ao dia.

2. Evitar deitar logo após a refeição, esperar cerca de 1 hora.

3. Evitar o consumo de alimentos muito condimentados e gordurosos.

4. Diminuir consumo de café, chá preto, refrigerante, doces e chocolate.

5. Evitar usar roupas apertadas.

6. Perder peso.

7. Realizar exercício físico regular (caminhadas hidroginástica ou natação 1hora pelo menos três vezes por semana).

8. Caso os sintomas piorem, procurar serviço mé